Olhar Apaixonado para as HQs – LEGIÃO DO MAL (parte II)

Vamos continuar com nosso dossiê sobre a Legião do Mal (veja a primeira parte do texto aqui). Vamos aos membros restantes:

SOLOMON GRUNDY


   Foi bastante surpreendente estudar a origem de Solomon Grundy, pois ele teve um longo percurso entre seu surgimento e O desafio dos Super Amigos. Foi em All American Comics #61, outubro de 1944, que o bravo Lanterna Verde Alan Scott conheceu a primeira criatura imune ao seu anel, um ser monstruoso chamado Solomon Grundy – personagem provindo de uma velha rima norte americana.

Uma figura branca e corpulenta simplesmente irrompe do lodo durante a noite de uma segunda-feira no Pântano da Chacina, nos arredores de Gothan, um lugar supostamente assombrado pelo fantasma de Cyrus Gold, um indivíduo assassinado no local 50 anos atrás – e as primeiras pessoas que a gigantesca criatura encontra são um par de fugitivos da prisão, usando o clássico uniforme listrado. Assustados, os criminosos abrem fogo contra o monstro, que não dá importância às balas e avança… Na noite seguinte, já trajando um uniforme listrado, a criatura é atraída pela fogueira de um bando de mendigos, que o recebem de maneira menos agressiva que seus sucessores. Um dos sem-teto pergunta à criatura seu nome, que responde: “Nome? Eu… não tenho nome. Eu… nasci na segunda-feira”. O sem-teto então se recorda da rima sobre o arruinado Solomon Grundy – e a criatura assume o nome para si. O suposto chefe do bando resolve demonstrar sua superioridade e toca no monstro, que o golpeia com força enquanto pisa na fogueira sem demonstrar qualquer sinal de dor – e excitados com as demonstrações de poder do novo amigo os malfeitores resolvem que é hora de voltar para a cidade. Tem início uma onda de crimes e logo o Lanterna Verde resolve enfrentar o bando – e o herói é tomado de espanto quando é derrotado pelo monstro, visto que seu nenhuma criatura viva pode resistir ao poder do anel… O bando de Grundy prossegue em sua marcha de crimes e as coisas ficam realmente sérias quando o monstro, como uma criança, descobre como matar é divertido – mas com muita obstinação, e inclusive sem seu anel energético, o Lanterna Verde volta a enfrentar a criatura que é liquidada por um trem, exatamente em um domingo…

Somonon Grundy ainda iria causar muitos problemas até ser banido para a Terra 2 pela Sociedade da Justiça e pela Liga da Justiça, em 1971. Em 1976, no entanto, em  Superman #301, ele conseguiu fugir de sua prisão ao ter um misterioso insigth: se todos as pessoas da Terra 1 têm um correspondente na Terra 2, então deve haver outro como ele, alguém que acabará com sua solidão! Como num passe de mágica Grundy surgiu em Metrópolis, destruindo tudo em busca de sua contra parte. Acredito fortemente que esta aventura tenha sido determinante para sua escalação no time de Lex Luthorlkjilunmhug uyf vyuv6urctrf.

CHARADA


 Charada, o ‘príncipe dos enigmas’, teve sua primeira aparição em Detective Comics #140 – outubro de 1948. Edward Nigma, cuja abreviatura forma E. Nigma, acreditava que seu nome lhe caía tão bem que era seu dever resolver todos os tipos de charadas do mundo, ainda que usando de certas ‘manhas’ para vencer seus objetivos – habilidades que ele começou a desenvolver na escola e logo empregou para faturar uma graninha, quando chegou à vida adulta. Considerando-se um gênio, no entanto, decidiu que poderia desafiar a polícia e, por que não, o próprio Batman! Ele passa a lançar uma série de desafios cada vez mais mortais, cheios de duplo sentido, até ser inadvertidamente pego em uma de suas próprias armadilhas: encurralado em um píer, o Charada é atingido por uma explosão que deveria matar Batman e Robin… e, misteriosamente, tudo o que resta na água é um sinal de interrogação, que se desprendeu de seu uniforme… ou foi deixado propositalmente pelo vilão?

 
No primeiro quadro temos o surgimento do vilão – e no segundo, o último quadrinho da HQ

ERA DE PRATA

 

CAPITÃO FRIO


A ERA DE PRATA teve início em outubro de 1956 com a estreia do segundo Flash, Barry Allen, na HQ DC Showcase #04 – e é justamente nesta publicação, pouco tempo depois, que ganhará vida um de seus vilões mais emblemáticos, o Capitão Frio! Para sermos honestos, contudo, devemos dizer que em sua primeira aparição, em DC Showcase #08 (maio-junho de 1957), o futuro membro da Legião do Mal não teve uma estréia grandiosa (como podemos conferir ao lado, ele nem apareceu na capa)…

Na aventura, de apenas 12 páginas, Len Snart é figurado como um ladrãozinho barato, porém ambicioso e muito inteligente – que logo percebe que para ter sucesso na vida do crime precisará antes derrotar o grande herói da cidade, o Flash! Ele descobre um conjunto de estudos científicos sobre ‘relâmpagos’ (flashs) e tenta combinar achados teóricos com sua prática criminosa – criando, acidentalmente, sua arma congelante! Ele então resolve ‘entrar no personagem’, cria um uniforme estiloso e então só lhe falta um nome… e observem que momento emblemático para a geeknedidade:

Em seu primeiro encontro com o Flash, retratado logo no quadrinho de abertura, ele havia tirado vantagem do elemento surpresa – mas sabia que teria que se aprimorar para superar definitivamente o herói escarlate. O vilão passa a desenvolver experimentos com sua nova arma e consegue torná-la ainda mais mortal, capaz de provocar alucinações! Ele então realiza um segundo ataque e acredita que suas ‘miragens’ irão deixar o Flash exausto demais para poder lutar, mas é facilmente derrotado pelo herói e vai para a cadeia sem grandes esforços.

Apesar desta estreia ‘desajeitada’, seja à frente da Galeria dos Vilões ou por si próprio, o Capitão Frio viria a se tornar o arqui-inimigo do Flash e a garantir, assim, seu lugar na Legião do Mal!

 

 

BRAINIAC


   Brainiac, um dos vilões mais icônicos do Super Homem, surgiu em grande estilo em Action Comics #242 (julho de 1958), figurado como o ‘alien de aço’, dotado de fantásticos poderes científicos. Tudo começa com o lançamento ao espaço da primeira espaçonave tripulada por seres humanos – e, tratando-se de uma aventura do Super, quem está na tripulação? Uma super prenda para quem respondeu Lois e Clark! A espaçonave começa a ser atingida por estranhos raios – e o Super sai para investigar. Enquanto se esforça para retirar o veículo de perigo, Brainiac volta ao seu propósito original: ele aponta estranhos raios para as maiores cidades do globo e elas desaparecem, surgindo na sequência, miniaturizadas, dentro de garrafas, na nave do vilão! Ele revela que uma epidemia devastou seu planeta natal – então ele deseja enxertar novas cidades e recriar seu império!

Valendo-se de sua super astúcia Super Homem deduz que Metrópolis será capturada por Brainiac – e estrategicamente coloca a sim mesmo em posição de ser encolhido para poder vencer o ultra escudo que protege a nave do vilão. Uma vez no interior da nave ele encontra uma garrafa que mudará sua vida: Kandor, uma cidade de Kripton miniaturizada e capturada antes da destruição do planeta natal do homem de aço!

Quando termina de encher todas as garrafas, Brainiac aciona sua nave para retornar ao seu planeta e coloca a si mesmo em animação suspensa – pois a viagem levará um século! Rapidamente, sem ser incomodado pelo vilão adormecido, Super Homem consegue devolver todas as cidades terrenas de volta aos seus lugares – quando é assolado por um dilema: a nave só tem energia para reverter a miniaturização mais uma vez… mas restam, encolhidos, ele próprio e Kandor! Quando está prestes a se sacrificar pelos últimos sobreviventes de Kripton uma nave, pilotada por um cientista de Kandor, aciona o raio e devolve o herói ao seu tamanho natural – pois o mundo não poderia viver sem seu campeão! O Super Homem decide então tomar conta da cidade miniaturizada, guardada em segurança em sua Fortaleza da Solidão. Quanto à Brainiac, ele acordará em um mundo desolado, um rei cruel sem qualquer reino para governar!

 

BIZARRO


 

 

Embora Bizarro seja caracterizado como um inimigo do Super Homem, ele surgiu antes como um ‘problema’ do que propriamente como um super vilão para o Superboy, em Superboy v1 #68 (outubro de 1958). Tudo começa no laboratório do Prof. Dalton, que está realizando testes com uma máquina capaz de criar réplicas! Para nossa surpresa a máquina funciona, porém as duplicatas são imperfeitas, não funcionam perfeitamente: primeiro eles criam uma capsula de rádio (o elemento químico), que não apresenta qualquer radioatividade; e depois copiam uma joia, mas esta simplesmente se derrete na sequencia. Um pequeno acidente, contudo, faz com que a máquina caia ao chão e exploda – não sem antes lançar seus curiosos raios sobre o herói mirim, criando assim uma réplica… imperfeita, como podemos deduzir.

Enquanto a dupla limpa a bagunça, a estranha criatura, que se supunha não estar viva, desaparece! Ela caminha pelas ruas, pela primeira vez, e escuta Superboy chamando-o de ‘bizarro’ – adotando para si este nome. Ele se assusta ao ver o reflexo de seu próprio rosto em uma vitrine e a destrói, lançando um carro contra ela – o que atrai a atenção da polícia. Além de ter demonstrado super força em seu feito anterior, agora ele também demonstra a invulnerabilidade do Superboy – pois as balas ricocheteiam em seu corpo. Assustado, Bizarro não consegue entender porque as pessoas o odeiam – e foge voando. Seguindo vagas lembranças ele chega ao lar dos Kent – mas obviamente Martha fica chocada ao vê-lo e a criatura sai de casa chorando, pois sua própria mãe também o odeia… Ele tenta a vida em outra fazenda, mas novas decepções vêm se somar às primeiras e logo ele está na cidade novamente.

Em uma sacada típica aos quadrinhos antigos, unindo o sublime ao cômico, Bizarro se senta em uma calçada, chorando, quando uma bela moça tenta ajudá-lo: ele fica muito surpreso ao notar que ela não se assusta com ele. É então que uma HQ de 10 centavos consegue se alçar ao nível da mais alta arte: a jovem diante de Bizarro é cega! Ela diz: “por que eu deveria me assustar? Sua voz é amável e eu posso ver que você é uma pessoa gentil”. Neste primeiro encontro o ‘monstro’ não percebe que a jovem Melissa não pode ver – porém, após novas desventuras, à medida que ele se torna mais isolado e passa a ter nela sua única referência na vida, a descoberta da condição da moça despedaça de vez as esperanças de Bizarro.

Bizarro não respira e seu coração não bate: Superboy tentou de tudo para destruí-lo, mas kryptonita foi inútil e nem sequer uma bomba atômica pôde pará-lo. Depois de muito refletir o herói mirim encontra algo que pode matar Bizarro e pede desculpas por ter que fazê-lo – ao passo que o ‘monstro’, desiludido’, se atira em direção à morte certa e se desintegra completamente… Longe dali, no entanto, Melissa sente uma estranha vibração em seus olhos… e volta a enxergar! Superboy passa a se questionar quanto ao milagre que acaba de ocorrer, imaginando se Bizarro se sacrificou de propósito… algo que nunca ninguém irá saber ao certo.

Certo, mas como Bizarro chegou à Legião do Mal? Em Action Comics #254, julho de 1959, o terrível Lex Luthor resolveu replicar o invento do Dr. Dalton! Ele não apenas teve sucesso com o invento como conseguiu, ainda, por meio de um disfarce, convencer o Super Homem a se submeter a um novo experimento – criando assim, agora na vida adulta, uma réplica bizarra do homem de aço! Tudo seguia muito bem para o grande vilão de Metrópolis, que pretendia obter um super aliado, mas Luthor não contava com uma coisa: Bizarro não gosta de ser um vilão! Ele conservou todas as memórias de sua ‘primeira encarnação’ e prontamente captura Luthor, encaminhando-o para a cadeia! A HQ segue explorando, de modo bastante divertido, as confusões criadas por Bizarro e os esforços do Super Homem para manter a lei a ordem. Em sua ‘nova origem’, que se estende até Action Comics #255, veremos antes uma figura confusa e desajeitada do que propriamente um vilão – para sermos justos, Bizarro tem grande admiração pelo Super Homem. Ele viria a ser o protagonista de diversas edições de Action Comics e inclusive foi premiado com um almanaque gigante. Apenas na década de 70 ele passaria a ter um… digamos… alinhamento maligno.

 

GORILA GRODD


   Ao estrear a Era de Prata, como vimos há pouco, o Flash congregou uma atenção e tanto e o time criador de sua HQ não se fez de rogado: colocou as mãozinhas de fora e tratou de criar uma verdadeira ‘galeria’ de vilões 😉 – mas, como se fosse pouco, eles ainda apresentariam ao mundo vários outros inimigos notáveis! O Gorila Grodd surgiu em The Flash #106 [só para constar, nesta edição também estreou o Flautista!] (abril/maio de 1959) em uma aventura repleta de ação e ficção científica de primeira!

Tudo começa com um estranho foguete que parte do continente africano e chega aos Estados Unidos em minutos – aportando em Central City. Paralelamente, acompanharemos o ator que diariamente veste uma fantasia de gorila, no teatro de Central City, tomado por angústias terríveis: ele tem escutado rumores de que as pessoas têm avistado um gorila andando pelas ruas, quando fica escuro… e ele teme que possa ser ele mesmo, pois acorda cada vez mais cansado e sem se lembrar do que ocorreu na noite anterior. Ele resolve telefonar para seu melhor amigo, Barry Allen – e bem, creio que o leitor pode imaginar o que veio na sequencia.

Logo em seguida voltaremos ao misterioso foguete e seu inusitado piloto: um Gorila! As primeiras imagens de Grodd, observem, não são nada assustadoras:

   O intrigante personagem revela que está em busca da mente mais poderosa do planeta – aquela que possui a capacidade de ‘controlar mentes’ – e ele diz que pretende roubar esta habilidade para controlar outros gorilas de seu local de origem, a Cidade Gorila, e então controlar o mundo!

Um circo acaba de chegar à cidade e o ‘vilão’ resolve visitá-lo – momento em que termina sua busca, pois ele encontra um segundo gorila enjaulado! Grodd se dirige ao companheiro aprisionado como Solovar – revelando que ele havia sido sequestrado por humanos, no Congo, mas que estava fingindo ser apenas um gorila comum para não revelar a existência da Cidade Gorila e de seus habitantes fantásticos. Usando poderes telepáticos ele então ‘rouba’ o poder de ‘controlar mentes’ de Solovar e parte. Solovar, por sua vez, sem ter mais nada a perder, rompe as barras de sua cela e sai em busca do herói chamado Flash, de quem tem escutado grandes maravilhas! Sem cerimônias ou dificuldades ele chega ao apartamento do herói e o surpreende ainda mais ao falar – em inglês! E, acreditem ou não, estávamos em plena Era de Prata, o Flash leva meio segundo para cruzar a distância entre a América e a Cidade Gorila…

…onde Grodd congregou um exército de gorilas armados, cuja mente ele controla! Flash envolve o inimigo em um ciclone circular com tamanha velocidade que este simplesmente não consegue resistir! Solovar se compromete a cuidar de Grodd e pede ao novo amigo que não revele ao mundo sobre a Cidade Gorila – e em questão de segundos Barry volta ao lar e tranquiliza seu antigo amigo, aquele que temia estar aterrorizando a cidade fantasiado de gorila!

SINESTRO


Sinestro, o inimigo mortal do Lanterna Verde da Era de Prata, Hal Jordan [o herói presente na Liga da Justiça em O desafio dos Super Amigos], teve sua primeira aparição em Green Lantern #07, julho de 1961. Tudo parecia normal para os 100 mil habitantes da pacata cidade de Waldale, na Costa Oeste, quando, repentinamente, uma estranha luminosidade desceu dos céus e todos desapareceram – algo tão incompreensível que o próprio Jordan não conseguiu encontrar uma única pista sobre o ocorrido!

Pouco depois a forma astral do herói é chamada ao lar dos Guardiões do Universo, em Oa, e estes têm uma terrível revelação: um grande perigo ronda o gladiador esmeralda! O outrora bravo Lanterna Verde do setor 1417, Sinestro, foi infectado pelo vírus do poder… e se tornou o ditador de seu planeta natal, Korugar. Os Guardiões tomaram sua fonte de poder, o anel e a bateria, e o baniram para o Universo de antimatéria de Qward – mas ele conseguiu convencer os governantes do belicoso planeta a lhe fornecer o armamento necessário para, primeiramente, derrotar Hal Jordan e, na sequência, exterminar os Guardiões!

 
Primeiras imagens de Sinestro – à esquerda como Lanterna Verde, à direita como o vilão que todos nós conhecemos

Os Guardiões permitem que Hall observe o vilão e então é revelado que foi ele quem ‘sequestrou’ os habitantes da pequena cidade, como o objetivo de encontrar o herói! Ciente dos perigos que terá que enfrentar, o Lanterna Verde retorna para a Terra e se coloca em ‘posição de ser encontrado’. Como esperado, Sinestro teleporta o herói para Qward e ameaça destruir os habitantes desaparecidos de Waldale – e em nome de um bem maior, o Lanterna Verde se rende ao novo vilão.

Sinestro prontamente cumpre sua parte no acordo e liberta os terráqueos, aprisionando o herói em um esfera amarela – e como o anel de poder não pode afetar nada que seja amarelo a esfera é uma prisão inescapável. Em um arroubo dramático, o vilão explica que nada no mundo poderá ferir o Lanterna Verde enquanto este estiver consciente, mas como um antigo membro da Tropa dos Lanternas Verdes ele sabe que o anel precisa ser recarregado a cada 24 horas – e ele tem um relógio, disposto na parede, que registra o momento em que a carga irá se esgotar, momento em que o herói poderá ser destruído! A situação parece ser desesperadora, mas Jordan mantém a calma.

Quando o relógio atinge o momento esperado Sinestro abre a esfera mas, para sua absoluta surpresa, o Lanterna Verde ataca! Sem demora ele assume o controle da situação e quando tudo está calmo ele explica que acelerou o relógio com partículas invisíveis enquanto ninguém prestava atenção. Diante de seu fim, contudo, Sinestro começa a rir, dizendo que ‘o bem é impotente, ao passo que só o mal é livre para agir’ – pois o código de honra dos Lanternas Verdes não permite que sua vida seja tomada e, por outro lado, em virtude do banimento imposto pelos Guardiões de Oa, ele não pode deixar Qward! Impávido, contudo, Jordan argumenta que o bem não é impotente – e o aprisiona para sempre em uma esfera verde impenetrável.

GAFANHOTO (ou o personagem Arraia Negra)


  É bem difícil entender a razão pela qual os tradutores apresentaram ao público brasileiro o vilão O desafio dos Super Amigos, o Gafa… digo, o Arraia Negra surgiu em Aquaman (v1) #35, em setembro de 1967 – e o mais curioso é que embora a edição figure sua primeira aparição, Aquaman se refere a ele como um “velho inimigo”…

Black Manta como “Gafanhoto” – não só porque seria muito fácil recorrer à significação literal, ‘Arraia Negra’, como porque ‘Gafanhoto’ não tem nada a ver com os oceanos… mas seja como for, finalmente chegamos ao personagem que conclui a formação da Legião do Mal! Figurado como o arqui-inimigo do rei dos mares em

Deixando de lado estes dois pontos malucos, vamos à trama: o misterioso vilão arma uma armadilha para atrair Aquaman para fora do indestrutível domo protetor da Atlântida e, enquanto o herói submarino está fora, lança um estranho raio que altera a estrutura da água no interior no domo – o que força os atlantes a bombear toda a água para fora e os coloca em severo risco de vida! Quando tudo se resolve, no entanto, ele consegue raptar o pequeno filho do casal Aquaman e Mera, lançando um ultimato: o bebê será devolvido são e salvo se o soberano se entregar!

 
A primeira imagem do Arraia Negra e, ao lado, o confronto entre os maiores e piores inimigos do Aquaman

   Neste meio tempo, no entanto, uma segunda nave submarina se aproxima: ela é controlada por Orm, um vilão, apresentado poucos números atrás, que está em busca de vingança! Ele chega no exato momento em que é feita a ‘troca’ de reféns e intercepta o pequeno herdeiro do trono Atlante! Aquaman, aprisionado em uma capsula, fica à mercê do ‘arraia negra móvel’ (ele não se chama assim de fato, mas como por outro lado ele não é nomeado eu tomarei a liberdade de lhe conferir este nome estiloso) – mas como Orm deseja acima de tudo a morte do herói, ele passa a duelar com o Arraia Negra [um renegado que o despreza, apesar desta ser sua primeira aparição(!)]. Orm consegue fazer com o veículo do Arraia Negra seja destruído – mas um míssil, lançado no ultimo minuto, também avaria sua embarcação. Desacordado, Orm tem sua vida salva por Aquababy – e ao despertar nota que o Arraia Negra está prestes a acabar com a vida de seu odiado inimigo! Orm enfrenta o Arraia Negra enquanto o herói, bastante ferido, nada em busca de seu bebê, aportando em uma praia onde perde a consciência. Uma corrente marítima leva Arraia Negra para muito longe – e agora cabe à Orm retribuir o favor concedido por Aquababy, levando-o de volta ao seu pai desacordado. Como seria desonroso um combate em tal situação, ele simplesmente parte para retornar em outra ocasião – e assim toda a família de heróis volta a viver em paz!

Cenas do próximo capítulo


Uma vez que conhecemos a galeria de personagens que forma a Legião do Mal, para que os leitores tenham um gostinho de quero mais apresentaremos agora uma pequena amostra das HQs que abordaremos na terceira parte deste dossiê:

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s