Olhar Apaixonado para as HQs – LEGIÃO DO MAL (parte I)

Ao olhar para o passado, entre minhas primeiras lembranças uma guarda um brilho especial: o desenho animado dos Super Amigos. Com certeza foi meu primeiro contato com a DC e com seu panteão de grandes estrelas; mas tão especiais quanto os heróis eram para mim os vilões – particularmente a famigerada Legião do Mal!!!

Como não ficar impressionado com aqueles seres fantásticos, talvez bizarros [um deles literalmente 😉 ] que se reuniam em um pântano, tramando planos para derrotar os maiores heróis da Terra???

Logo eu corri para as bancas em busca de suas aventuras em quadrinhos, mas nunca as encontrei… e demorou um bom tempo para eu entender que as histórias da TV não tinham necessariamente uma ligação com o que acontecia nas HQs. De toda forma, meu fascínio por aqueles personagens nunca diminuiu e ao longo dos anos mantive os olhos bem abertos tanto para os quadrinhos lançados antes do desenho, certamente as fagulhas que viriam a formar a incendiária Legião do Mal, como para as diversas homenagens, diretas e indiretas, que foram prestadas ao grupo nas mais variadas mídias desde então. Com o presente dossiê venho compartilhar com vocês meus achados, estabelecendo um diálogo entre as HQs e a animação, em três partes: 1) os integrantes da equipe; 2) as representações nas HQs; e 3) as aventuras frustradas (guia de episódios).

DOSSIÊ: A Legião do Mal


Parte 1: os integrantes

Ser amante da cultura pop na década de 80, em território tupiniquim, não era fácil não – fitas em VHS custavam  bem caro e, pior ainda, não havia muita coisa licenciada. A era dos DVDs, felizmente, veio remediar plenamente esta situação reunindo em um único box TODAS AS MAGNÍFICAS APARIÇÕES da Legião do Mal!

O supergrupo de vilões surgiu em O desafio dos Super Amigos, terceira temporada do desenho animado lançada entre 1978-79. Foram produzidos 16 ‘blocos’ com dois segmentos: enquanto o primeiro trazia nossos heróis em aventuras variadas, enfrentando ameaças como Drácula, Simbad e Mxyzptlk, no segundo sempre éramos presenteados com a odiável Legião do Mal! Quando esta temporada foi lançada em DVD, tanto lá fora quanto aqui, cada segmento da sessão foi isolado – então o “Desafio dos Super Amigos volume 1”, com capa vermelha, reúne as aparições da Legião do Mal, e o “Desafio dos Super Amigos volume 2”, com capa azul, agrega os demais episódios.

 

 

 

 

 

 

 

 

Uma vez que a Liga da Justiça reunia os maiores heróis da Terra era natural pensarmos que a Legião do Mal era composta por seus arqui-inimigos, especialmente escolhidos para formar o funesto número 13 – mas esta era apenas uma verdade parcial, visto que o grupo reunia antes, fundamentalmente, os maiores vilões da ‘trindade’ Super Homem, Batman e Mulher Maravilha, com escassos arqui-inimigos dos demais heróis completando o time.

A equipe era formada por personagens bem antigos com outros mais novos, em uma escalação com figuras da Era de Ouro e da Era de Prata de acordo com seu aspecto na Era de Bronze – época em que a série foi produzida. Apresentaremos agora um quem é quem tomando como ponto de partida suas origens nas HQs e, quando pertinente, discutiremos as mudanças pelas quais passaram até chegar nas telinhas!

ERA DE OURO



LEX LUTHOR

A galeria de representantes do mal havia sido congregada e era liderada por Lex Luthor, o mais ‘experiente’ entre todos – uma escolha e tanto, visto que cronologicamente ele foi o primeiro a aparecer, em Action Comics #23 – abril de 1940. Na curta aventura, os jornalistas Clark Kent e Lois Lane haviam sido enviados para cobrir a guerra entre duas nações europeias – quando um louco habitando um dirigível resolveu semear a discórdia como uma forma de iniciar uma guerra mundial. De acordo com suas ideias loucas, quando as nações, enfraquecidas, terminassem os combates, ele só precisaria ‘terminar o serviço’ e se tornar o senhor do mundo!

 
primeiríssima aparição de Luthor, trajando toga, com cabelos ruivos

Nesta aparição inicial Luthor surge vestindo uma toga e tem cabelos ruivos – foi o artista de uma tira de jornal quem, mais tarde e por engano, desenharia o personagem careca, instaurando a aparência definitiva do personagem. Em Action Comics #23 ele não apresenta nenhum super poder, embora descreva a si mesmo como um super gênio – e fica nítido que ele tem muitas riquezas e profundamente temido e respeitado por uma legião de capangas.

Luthor sequestra Lois Lane e chega a dar algum trabalho para o Super Homem, mas é claro que o filho de Martha se desvencilha das engenhocas do vilão e consegue fugir após resgatar a mocinha. Durante a fuga, contudo, o dirigível pega fogo. Nesta época o Super ainda não voava, apenas saltava bem alto, e assim o veículo desaba sem qualquer possibilidade de ajuda. Todos acreditam que o vilão morreu no acidente – em uma tradição bem comum à época e ao seleto grupo que formará a Legião, como ficará claro nas próximas linhas!

ESPANTALHO

Na HQ World Finest Comics #03, lançada em setembro de 1941, teremos a primeira aparição do assustador Espantalho – o alter ego terrível de Jonathan Crane, um psicólogo especialista em fobias. Embora seja professor universitário, certamente uma posição de respeito, Crane é visto pelos demais como um esquisitão, alguém que gasta tanto com livros que mal lhe sobra algum dinheiro para comprar umas roupas mais na moda… e ao usar ternos esfarrapados e mal acabados ele acaba parecendo um espantalho! Cansado de ser excluído, Crane reflete que se tivesse muito, mas MUITO dinheiro ele poderia comprar MAIS LIVROS… mas que se sobrasse uma graninha ele poderia comprar algumas roupas – e assim ele resolve tomar para si o apelido maldoso e ingressar na carreira do crime, assumindo a figura do fantástico Espantalho! O vilão começa a aterrorizar gangsters e criminosos mas logo suas atividades chamam a atenção da dupla dinâmica – e devemos ser honestos ele vence facilmente as duas primeiras brigas, mas é claro que acaba sendo derrotado e termina a HQ na prisão.

 
primeiro close do vilão trajando sua assustadora máscara e a imagem final, já na cadeia

CHEETAH

As HQs iniciais da guerreira amazona mereceriam toneladas de comentários à parte – pois eram muito avançadas para a DC da década de 40! A ameaçadora Cheetah, vilã clássica da personagem, guarda alguns traços da genialidade da época, mostrando-se conhecedora de alguns artefatos do ‘sadomasoquismo’ bastante refinados… mas indo ao que interessa, visto que estes elementos extravagantes ficavam subentendidos, assim como a Mulher Maravilha tinha um alter ego delicado, a vilã era a contra-parte maligna da milionária Priscila Rich (percebam que ela era rica até no nome) – uma moça tão mimada que ao se deparar com a adoração que a princesa amazona provocava simplesmente enlouqueceu de inveja! Em Wonder Woman #06, setembro de 1943, veremos como a mente da moça é cindida em duas – em um processo que o próprio autor remete ao célebre romance O médico e o monstro:

“Sob o controle da Cheetah” a vilã facilmente invade o quarto da princesa amazona e poderia acabar com ela facilmente – mas decide fazer algo mais pérfido: incriminá-la injustamente! Exatamente como planejado a Mulher Maravilha vai para trás das grades (!) – mas obviamente a fiança é paga e assim que ganha a liberdade nossa heroína passa a caçar sua ‘caçadora’. Ela entra em mais uma cilada – da qual se desvencilha com maestria – e a Cheetah, que buscava queimar o prédio onde a princesa deveria morrer, acaba sendo queimada pelo próprio incêndio – pois só uma delas pode continuar viva! Acredita-se que a vilã morreu no incêndio, mas não preciso dizer nada, preciso?

 

MESTRE DOS BRINQUEDOS

O vilão Mestre dos Brinquedos já foi vivido por muitos alter egos – o que torna complicado falar sobre ele. A primeiríssima aparição do personagem se deu nos primórdios da Era de Ouro, em Action Comics #64 (setembro de 1943), quando ele foi figurado como um velhinho inocente chamado Winslow Schott, talvez um pouco excêntrico [basta conferir na capa ao lado], cuja talentosa habilidade de criar brinquedos subitamente passou a ser aplicada em roubos mirabolantes. Após uma série de crimes bem sucedidos, no entanto, ele foi finalmente preso pelo Super Homem e mandado para a cadeia. O autor não discute com profundidade porque ele se tornou um vilão – embora sugira um toque de loucura em suas ações. De toda forma, o Mestre dos Brinquedos viria a enfrentar o homem de aço ainda muitas vezes até finalmente decidir se aposentar.

Em Action Comics #432, em fevereiro de 1974, o mundo assistiu ao surgimento de um novo Mestre dos Brinquedos, agora personificado por Jack Ninball – a exata figura que conheceremos em  O desafio dos Super Amigos! Acontece que o vilão original não gostou nada da ideia – e abandonou a quietude de sua vida honrada para enfrentar seu sucessor! Em uma aventura bastante divertida, cheia de reviravoltas, veremos o antigo Mestre dos Brinquedos se associar à versão mais nova apenas para conhecer seus planos e, em parceria com o Super Homem, derrotá-lo!

Esta nova encarnação do vilão teve vida curta e apareceu em apenas uma segunda aventura – pois após sofrer um severo trauma psicológico o Mestre dos Brinquedos original decidiu matá-lo (!), como veremos em Superman vol 1 #305 (novembro de 1976). Apesar disto, certamente por conta de seu visual marcante, foi o segundo Mestre dos Brinquedos quem teve sua figura imortalizada na telinha!

 

GIGANTA

Se em Wonder Woman #06 o time criativo original da Princesa Amazona recorreu a uma patologia mental para criar a Cheetah, dentro de alguns meses recorreriam à teoria da evolução para apresentar ao mundo a marcante Giganta! Tudo começa com uma inocente visita ao zoológico – quando a sobrinha do Major Steve Trevor, o eterno ‘tutor’ da Mulher Maravilha, se aproxima demais da jaula de uma gorila e é agarrada! O militar logo saca sua arma, mas os trabalhadores do zoológico o convencem à não atirar. Enlouquecida, a gorila parte as barras de sua cela e foge para uma floresta – sem saber que em seu encalço há uma Princesa Amazona!

Na Faculdade de Ciência o Prof. Zool ministra uma aula de biologia – afirmando categoricamente que desenvolveu uma máquina capaz de acelerar processos evolutivos e transformar um macaco em um homem! E qual não é sua surpresa ao ser surpreendido pela gorila fugitiva? Para sua sorte a Mulher Maravilha logo chega ao local e, com o elemento surpresa, consegue retirar a sobrinha de Steve dos braços da gorila – mas ainda precisa enfrentá-la!

Dotada com a força de Hércules e com a sabedoria de Salomão é claro que nossa heroína vence o combate! Mas o Major Steve é enfático com o trabalhadores do zoo: “vocês não podem achar que Mulher Maravilha vai estar sempre de prontidão”! Os oficiais do zoo argumentam que Giganta é a maior gorila do mundo em cativeiro – e que ela vale 50 mil dólares (cifra que à época era estonteante). O Prof. Zool, que presenciou a discussão, não perde a oportunidade e diz que pode resolver o impasse testando seu experimento com a gorila!

Observem como Giganta surge com cordas cobrindo seus atributos sexuais, em mais uma jogada lasciva e fetichizada por parte de seus criadores… Mas voltando à Wonder Woman #9 (junho de 1944), o que se segue é simplesmente insano demais para ser narrado aqui com maiores detalhes: Giganta voa no pescoço de nossa querida heroína, a máquina do Prof. Zool é danificada e começa a regredir ao invés de evoluir os seres – e logo a cidade inteira voltou ao tempo das cavernas (para usar a terminologia da própria HQ). Todas as páginas de aventura deste número (para ser exato, 30 de um total de 52) são dedicadas às ‘viagens no tempo’ dos personagens – e em todas as épocas Giganta mostra-se uma pessoa terrível, sempre buscando disseminar a violência e a desarmonia.

Nesta primeira aparição ela apresentava força sobre humana, mas não necessariamente super força – e também não apresentava o poder que a caracterizaria em O desafio dos Super Amigos: a capacidade de ampliar seu tamanho! Como veremos mais adiante, ela obteve este novo poder ao roubar o pó mágico do Chefe Apache justamente em um episódio da animação – até ser escalada para o desenho ela nunca havia apresentado este super poder! E o mais legal? Os quadrinhos incorporaram esta nova característica, cerca de 20 anos depois, em Wonder Woman v2 #126 (outubro de 1997).

 


Curtiram? Como o assunto é enorme falaremos mais da Legião em breve! Aguardem

 

Anúncios

Um comentário sobre “Olhar Apaixonado para as HQs – LEGIÃO DO MAL (parte I)

  1. Pingback: Olhar Apaixonado para as HQs – LEGIÃO DO MAL (parte II) |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s